SOBRE

Como sobreviver ao fim do petróleo e aos efeitos nefastos de uma guerra nuclear sem precedentes? Caos, radioatividade, miséria, violência, frio... tudo poderia ser ainda pior se não existisse a AUSS & AUSS, um conglomerado de empresas pilotado por robôs e movido a emoções humanas. Descubra como essa ficção irá mudar a sua realidade. Ouça as músicas, leia os capítulos e acompanhe todas as novidades da 1ª temporada. AUSS & AUSS, nós somos a sua melhor companhia!

CAPÍTULOS

TEMPORADA 1

O PRESENTE

A FEW MEN CONTROLLING THE LIFE OF MANY MEN
AND MANY MEN TRYING TO BE THE NEXT RICH MAN
AUSS & AUSS
WE ARE THE BEST COMPANY FOR YOU!

A AUSS & AUSS ((((((A&A)))))) foi a única companhia a sobreviver à crise energética e à hecatombe nuclear desencadeadas pela 3ª guerra mundial.

Prevendo o fim do petróleo, os irmãos gêmeos da família AUSS inventaram o Acephalous, um sistema que utilizava músicas e experiências em realidades virtual e aumentada para intensificar a atividade cerebral humana e gerar pulsos de energia conhecidos como milineurais.

Detentora exclusiva dos meios de produção de energia no mundo, a A&A dominou todos os setores da economia e se tornou a provedora absoluta de produtos, serviços, empregos e renda.

Munida de uma plataforma operacional quase 100% robotizada, dependente da população para conseguir produzir milineurais, a empresa lançou um programa de contratação de pessoas com sensibilidade auditiva aguçada. Um bônus milionário era oferecido para quem atingisse performances elevadas. Bilhões de candidatos se inscreveram em busca de uma vaga de neurogerador. Eu fui um deles.

THIS MUSIC IS NOT FOR THINKERS.

Para ser contratado pela AUSS & AUSS, era preciso estar disposto a vivenciar um mundo virtual e interativo modelado a partir de emoções e memórias induzidas pelo contato com músicas. O grau de reação sentimental do neurogerador a essas experiências impactava numa maior ou menor geração de energia.

O que isso queria dizer?

Se uma música reproduzida pelo Acephalous provocava o neurogerador a ponto de fazê-lo lembrar do seu primeiro beijo, essa peça de memória era reconstruída virtualmente e o profissional, vestido com os headphones e óculos da A&A, podia aproximar seus lábios reais dos lábios holográficos projetados pelo sistema. Quanto vale a emoção de um primeiro beijo? Isso, o Acephalous era capaz de responder com base na quantidade de milineurais resultantes dessa vivência.

Por outro lado, reações instantâneas e irrefletidas, incitadas pela música, também estimulavam a criação de realidades imersivas e interativas em tempo real. Bastava um coração excitar-se com um ritmo frenético que uma pista de dança ou de corrida se abria diante dos olhos de um neurogerador. Quão intenso fosse esse frenesi maior seria a produção energética.

I DON’T KNOW HOW TO USE THE NEW VERSION OF ME
WELCOME TO THE NEW VERSION OF ME.

Após anos de espera por um teste para concorrer a um cargo de neurogerador, fui convocado à sede da AUSS & AUSS em Riga, na Letônia.

Aos candidatos era exigida a autorização para a aplicação de Mechaína, uma substância catalisadora das emoções dos usuários do Acephalous.

Ávido pelo emprego, assinei a documentação e recebi os aparelhos auriculares e visuais A&A. Equipado, adentrei uma das estações da usina de neurogeração e fui plugado a um dispositivo injetor de Mechaína.

À medida que as músicas eram reproduzidas, doses de Mechaína eram liberadas em meu organismo, e minha produtividade era analisada. Durante a sessão, não me emocionei com o que ouvi. A realidade projetada pelo sistema era um ambiente virtual infinitamente escuro e impassível de interatividade. No entanto, surpreendentemente, meu desempenho energético foi extraordinário e, então, fui contratado.

Dois anos se passaram sem que eu expressasse qualquer resposta emotiva. Mas a minha produção era a maior da companhia. Eu era indiferente à toda experiência sensorial. Até que um dia, após uma falha na atualização do Acephalous, recebi uma sobrecarga de Mechaína. Pela primeira vez, eu me emocionei.

TOUCH ME LIKE YOU TOUCH YOUR TOUCHSCREEN
BUSY BODY
USE ME ... DISCARD.

O erro de atualização provocou não somente o despertar da minha emotividade, mas também me desconectou do Acephalous e, inexplicavelmente, integrou meu cérebro à rede neural dos sistemas operacionais dos dispositivos móveis da AUSS & AUSS. Com isso, meus neurônios passaram a acessar em tempo real as funções que eram executadas nos smartphones, tablets e notebooks de todos os usuários do mundo.

Ligações, compartilhamentos, troca de mensagens, usos de aplicativos, fotos, vídeos... Era possível participar de tudo ao mesmo tempo. Eu era a linguagem digital viva, com os nervos à flor da pele. Eu podia sentir cada toque na tela de um aparelho. Eu era um corpo 100% ocupado e sensível.

Pelas lentes das câmeras dos dispositivos, eu vi pessoas tal a face refletida de Narciso num espelho d’água. Eu vi sorrisos tão perfeitos como o da Mona Lisa. Como não se emocionar com a engenhosidade de um Da Vinci ou a beleza apaixonante de um mito? Eu vi lágrimas escorrendo sobre a superfície cristalina dos displays. Eu também ri e também chorei. Eu sentia a dor da perda quando algo era deletado. Eu me sentia simultaneamente triste, feliz, útil, descartável...

I CAN´T STOP TAKING PICTURES
I AM ANONYMOUS BUT MY SELFIE IS FAMOUS
I’M A FRIEND OF WARHOL
I LIKE HIS PHOTOS
I LIKE, LIKE, LIKE, LIKE HIS PHOTOS
I’M A FUCKING ADDICT TO THE IMAGE AGE
I NEED A POLARAID.

Mecanismos de segurança interviram para dissociar-me da rede neural dos sistemas operacionais, tentando trazer-me de volta ao Acephalous e, assim, resgatar minhas operações como neurogerador. Conforme avançavam, funções eram desabilitadas, até o momento em que meu cérebro ficou condicionado unicamente a um aplicativo de câmera fotográfica.

Um incalculável número de fotos era tirado por milissegundo. Eu era a aplicação para os aficionados em selfies. Eu era a imagem e semelhança de cada brilho e contraste. Eu podia sentir como um pixel se sentia. Eu era a gama de filtros que criava a ilusão numa fotografia em busca de milhares de curtidas nas famosas redes sociais.

Devido ao ritmo alucinante de processamento de informações, meus neurônios estavam prestes a entrar em colapso quando algoritmos de suporte emergencial acionaram o Polaraid, um comando drástico.

O Polaraid me isolou na função excluir do app... Fui aprisionado num limbo cibernético onde todas as fotos excluídas no mundo iam parar. Minha memória foi soterrada por uma avalanche de lixo fotográfico. A minha realidade era uma ficção em que Dante visitava o inferno de Andy Warhol.

THE ORIGINAL IS DEAD BACKUP!

Sob os escombros de um volume exponencial de imagens mortas, minha carga total de Mechaína foi abruptamente consumida, causando o acidente vascular que culminou com a minha morte cerebral. A minha experiência sensorial havia sido uma epopeia digital cujo final foi convertido numa tragédia de cores e bytes.

Porém, segundos antes de morrer, uma cópia de segurança da minha memória foi realizada automaticamente. Da fase uterina ao fatídico desfecho no ciberespaço, tudo o que meu cérebro tinha registrado em vida foi copiado pela companhia para a sua rede de dados. Fisicamente eu havia morrido, mas virtualmente eu continuava existindo.

Esse era o procedimento padrão da A&A. Quando um neurogerador chegava à aposentadoria ou morria, a empresa fazia um backup de todo histórico mental do operário. As memórias associadas aos picos de produção milineural eram identificadas, replicadas e reproduzidas em série num ambiente virtual para dar origem a cibergeradores artificiais. Uma vez contratado, vivo ou morto, um neurogerador seria para sempre um neurogerador.

O HERÓI ENERGÉTICO

Durante todos os meus anos de trabalho no Sistema Acephalous, nenhum milineural gerado por mim esteve associado a memórias afetivas ou reações emotivas. Eu havia vivido como um Meursault, o estrangeiro de Camus, um ser indiferente à existência. Mas, inexplicavelmente, eu me tornei responsável por 70% da produção de energia da AUSS & AUSS, ganhando o status de herói e pivô energético do mundo.

Após a minha morte, o Robô SS, chefe da segurança da A&A, transferiu a cópia do meu registro cerebral para a Zona de Conforto, uma das áreas mais vigiadas e estratégicas da empresa. Era nesse setor que psicociberanalistas analisavam as memórias dos neurogeradores, aposentados ou mortos, e selecionavam os backups mentais que seriam utilizados pelos cibergeradores para produzir milineurais.

I DON’T WANT TO CHANGE MYSELF
I DON’T WANT TO CHANGE THE WORLD
I DON’T WANT TO BE A HERO
I JUST WANT TO BE A ZERO
COMFORT ZONE.

Na Zona de Conforto, psicociberanalistas examinaram o meu registro mental. Minhas memórias, porém, não apresentavam respostas afetivas aparentes. O Robô SS, então, exigiu uma varredura mais minuciosa para identificar oscilações emocionais de fundo. Nada foi encontrado.

Seguiu-se um novo procedimento. Algoritmos terapêuticos tentaram quebrar minha inércia emotiva com programações de autoajuda. Mas o grau reativo era sempre nulo. Exauridos os recursos, concluiu-se: “Essas memórias não têm mais-valia”. Assim, o Robô SS ordenou: “Deletem o registro mental do herói energético!”.

A notícia do resultado das análises soou como uma explosão nuclear nos tímpanos dos irmãos AUSS. Para tentar reverter a situação, os gêmeos aumentaram a dosagem de Mechaína nas usinas de neurogeração. No entanto, milhares de neurogeradores morreram em consequência de sobrecargas da substância, um desastroso holocausto operário.

Outra bomba desabou sobre as cabeças dos Irmãos AUSS. A organização C://0DD-e, criada pelo hacktivista Mawakshi'r, vazou um dossiê sobre o potencial letal da Mechaína e, rapidamente, essas informações chegaram ao conhecimento da população mundial.

Indignados com o incidente e com os dados alarmantes divulgados pela C://0DD-e, os neurogeradores se mobilizaram e deram início a uma greve geral que culminou com um apagão global.

STRANGE WORDS.

A C://0DD-e reunia os dissidentes da AUSS & AUSS. Dentre seus integrantes, destacava-se Mrs. Borska, a inventora da Mechaína.

Quando desenvolveu a substância, Borska estava ciente dos efeitos colaterais do catalisador. Para investir mais tempo na melhoria da fórmula, ela solicitou, à época da fundação da A&A, que o lançamento do Acephalous fosse adiado. Entretanto, seu pedido fora negado. A cientista não admitiu a decisão e abandonou o cargo. A partir de então, foi considerada uma ameaça e passou a ser perseguida pelos agentes secretos da empresa, vivendo em constante fuga.

Pelo teor das informações vazadas, os AUSS não tiveram dúvidas que Mrs. Borska estava envolvida com a C://0DD-e. Para eles, trazê-la de volta seria a solução para a crise instaurada. Ao Robô SS foi dado então o comando: “Capture Borska e sua filha XYn”.

Mawakshi'r há muitos anos havia conseguido quebrar códigos de acesso à AUSS & AUSS e assim a investigava. O hacktivista registrou o momento quando SS recebeu a ordem e enviou imediatamente uma mensagem à cientista: “Perigo. Traga XYn”. De pronto, mãe e filha foram ao bunker da C://0DD-e. Mawakshi'r implantou um chip em Borska e lhe disse: “Instalei o Sistema Exílio. XYn ficará segura aqui comigo”.

A cientista voltou para seu esconderijo, sentou-se em frente ao computador e acionou o chip. Em poucos segundos, seus batimentos cardíacos cessarem. Nesse instante, o Robô SS invadiu o espaço e encontrou Mrs. Borska morta. Na tela do computador, lia-se: “Você deverá achar Madame Laser e então irá se apaixonar”.

ESTAMOS EM GREVE

Pode um morto apoiar uma greve? Pois, eu apoio!

Uma multidão de neurogeradores cerca o mausoléu onde o meu corpo foi enterrado. As únicas fontes luminosas em plena escuridão do mundo são as pequeninas chamas das últimas velas que foram acendidas ali durante o meu funeral. O céu sem estrelas se uniu ao breu da terra e os grevistas gritam fervorosamente: “Lutem, lutem, lutem, lutem contra a sociedade robótica!”.

Intrigado, você deve estar se questionando: Como os irmãos AUSS vão conseguir superar a greve e o apagão global? O que é o Sistema Exílio? Qual o significado da mensagem na tela do computador de Mrs. Borska? Acendam sua imaginação. Encarem o blackout. Em breve, o futuro poderá ser luminoso!

PRÓXIMOS LANÇAMENTOS

CRACKING THE CODES
IT´S A CRACK ATTACK
I CRACK, THEREFORE I AM.

I AM A ROBOT
I’M A SERIAL COPY
I DON’T WANNA BE A GIFT TO A KID
UNDER A CHRISTMAS TREE
I WANT TO BREAK FREE
DESTROY ME TODAY ON CHRISTMAS DAY
OH! PLEASE DESTROY ME
KID DESTROY ME, PLEASE!

BUY, SELL
UP, DOWN
IT´S LOSING VALUE
DOWN, DOWN, DOWN, DOWN...
CRASH.

COLD SOCIETY
WE´RE FEELING SO ALONE
THE LEADERS ARE DEAD
THE BOSSES FIRED THEMSELVES
WHAT’S THE NEXT STEP?

OUÇA

Créditos

AUSS & AUSS
Temporada 1: O presente
Uma novela musical criada por NIKIMA

>> Produção Executiva: NIKIMA
>> Produzido e mixado por André T no Estúdio T
>> Masterizado por Mauricio Gargel no MGargel Audio Mastering
>> Assistência de Produção Executiva: Ligia Fernandes
>> Design & 3D: Virgílio Pacheco
>> Design & Arte Finalização: Eduardo Araújo
>> Desenvolvedores Web: Marco Prado & Thiago Santos
>> Consultoria em Tecnologia: Iloma Sales
>> Traduções: Thomas Eldridge